Traduções





********************************************************************************************************






















Minha vagabundagem poética me arrastou a um dos hotéis de Charles Simic.

Hotel Insônia

Acomodado em meu canto,
a janela frente a parede de tijolinhos,
próximo à porta havia um piano.
Algumas noites ao mês
um velho inválido vinha tocar
“My Blue Heaven”.

Mas, geralmente, era tranquilo.
Cada quarto com aranha em grosso sobretudo
caçando mosca com uma rede
de fumaça e fantasia.
Tão escuro
Que não podia ver meu rosto no espelho.

Às 5:00 h, acima, o ruído de pés descalços.
A “Cigana” leitora do destino,
cujo ponto era na esquina,
se levantava para mijar depois de uma noite de amor.
Certa vez, também, o choro de uma criança
soou tão perto que pensei
que quem chorava era eu.

Hotel Insomnia

I liked my little hole,
Its window facing a brick wall.
Next door there was a piano.
A few evenings a month
a crippled old man came to play
"My Blue Heaven."

Mostly, though, it was quiet.
Each room with its spider in heavy overcoat
Catching his fly with a web
Of cigarette smoke and revery.
So dark,
I could not see my face in the shaving mirror.

At 5 A.M. the sound of bare feet upstairs.
The "Gypsy" fortuneteller,
Whose storefront is on the corner,
Going to pee after a night of love.
Once, too, the sound of a child sobbing.
So near it was, I thought
For a moment, I was sobbing myself.


In Hotel Insomnia, 1992. 


********************************************************************************************************





Sol serpente

Sol serpente olho a fascinar o meu olho
e o mar piolhento de ilhas explodindo nos dedos de rosas
lança-chamas e o meus corpo intacto de aniquilado
a água exalta as carcaças de luz perdidas na garganta sem pompa
turbilhões de gelo coroam o coração enfumaçado dos corvos
nossos corações
é a voz de raios domados a girar sobre seus gonzos de lagarto
transmissão de sáurios* à paisagem de vidros quebrados são
as flores vampiras no lugar de orquídeas
elixir do fogo central
fogo justo fogo mangueira de noite coberta de abelhas meu
desejo um acaso de tigres surpresos nos enxofres mas o despertar
estanhoso revela jazidas infantis
e o meu corpo de seixo comendo peixe comendo
pombas e sonos
o açúcar da palavra Brasil no fundo do charco

* No original, “anolis” – um gênero de lagartos comum às florestas tropicais da América Central.



In Les armes miraculeuses


********************************************************************************************************

Aimé Césaire


Massacre in Korea, Pablo Picasso, 1951














Entre autres massacres

De toutes leurs forces le soleil et la lune s’entrechoquent
les étoiles tombent comme des témoins trop mûrs
et comme une portée de souris grises

ne crains rien apprête tes grosses eaux
qui si bien emportent la berge des miroirs

ils ont mis de la boue sur mes yeux
et vois je vois terriblement je vois
de toutes les montagnes de toutes les îles
il ne reste plus rien que les quelques mauvais chicots
de l’impénitente salive de la mer

In Soleil cou coupé, 1948.

Entre outros massacres

com todas as forças o sol e a lua se entrechocam
as estrelas caem como testemunhas muito maduras
e como uma ninhada de ratos cinzentos

não tema nada prepara as tuas águas pesadas
que tomam sem resistência a borda dos espelhos

passaram lama nos meus olhos
e veja eu vejo terrivelmente eu vejo
de todas as montanhas de todas as ilhas
não resta mais nada a não ser alguns resíduos ruins
da impenitente saliva do mar

**************************************************************************************************** 

Aimé Césaire (1913-2003)

Resultado de imagem para blues de la pluie aimé césaire



Blues de la pluie

Aguacero
beau musicien
au pied d’um arbre dévetu
parmi les harmonies perdues
près des nos mémoires défaites
parmi nos mains de défaite
et des peuples de force étrange
nous laissons pender nos yeaux
et natale
dénouant la longe d’une douleur
nous pleurions.

Blues da chuva


Aguaceiro
belo músico
aos pés de uma árvore desnuda
entre as harmonias perdidas
colado às nossas memórias desfeitas
entre nossas mãos de derrota
e povos de força estranha
deixamos despencar nossos olhos
e nascente
desfazendo a corda de uma dor
soluçamos.


*******************************************************************************************************

Juan Luis Panero (1942-2013) 


















Espejo negro

Dos cuerpos que se acercan y crecen
y penetran en la noche de su piel y su sexo,
dos oscuridades enlazadas
que inventan en la sombra su origen y sus dioses,
que dan nombre, rostro a la soledad,
desafían a la muerte porque se saben muertos,
derrotan a la vida porque son su presencia.
Frente a la vida sí, frente a la muerte,
dos cuerpos imponen realidad a los gestos,
brazos, muslos, húmeda tierra,
viento de llamas, estanque de cenizas.

Frente a la vida sí, frente a la muerte,
dos cuerpos han conjurado tercamente al tiempo,
construyen la eternidad que se les niega,
sueñan para siempre el sueño que les sueña.
Su noche se repite en un espejo negro.


Tradução de José Antônio Cavalcanti

Espelho negro

Dois corpos que se abraçam e crescem
e penetram na noite de sua pele e seu sexo,
duas escuridões enlaçadas
que inventam na sombra a sua origem e os seus deuses,
que dão nome, rosto à solidão
desafiam a morte porque se sabem mortos,
derrotam a vida porque são sua presença.
Frente à vida sim, frente à morte,
dois corpos impõem realidade aos gestos,
braços, músculos, à terra úmida,
vento de chamas, tanque de cinzas.

Frente à vida sim, frente à morte,
dois corpo conspiram obstinadamente contra o tempo,
constroem a eternidade que se lhes nega,
sonham para sempre o sonho que os sonha.
Sua noite se replica num espelho negro.

In Desapariciones y fracasos, 1978



********************************************************************************************************

José Emilio Pacheco (1939-2014)

















Contraelegía

Mi único tema es lo que ya no está
Y mi obsesión se llama lo perdido
Mi punzante estribillo es nunca más
Y sin embargo amo este cambio perpetuo
este variar segundo tras segundo
porque sin él lo que llamamos vida
sería de piedra.

Contraelegia

        Tradução de José Antônio Cavalcanti

Meu único tema é aquele que já não está
e minha obsessão se chama o perdido.
Meu pungente refrão é nunca mais
e mesmo assim amo esta mudança perpétua
este variar segundo após segundo
porque sem ele o que chamamos vida
seria de pedra.


********************************************************************************************************

Alejandra Pizarnik




















Cantora nocturna

          Joe, macht die Musik von damals nacht... (*)

La que murió de su vestido azul está cantando.
Canta imbuida de muerte al sol de su ebriedad.

Adentro de su canción hay un vestido azul, hay
un caballo blanco, hay un corazón verde tatuado
con los ecos de los latidos de su corazón
muerto.

Expuesta a todas las perdiciones, ella
canta junto a una niña extraviada que es ella:
su amuleto de la buena suerte. Y a pesar de la
niebla verde en los labios y del frío gris en los
ojos, su voz corroe la distancia que se abre entre
la sed y la mano que busca el vaso.

Ella canta.

          A Olga Orozco


In Extracción de la piedra de locura, 1968. 


(*) “Joe faz que a música da noite passada...”, verso do poema de Bertolt Brecht  “Bilbao Song”,  musicado por Kurt Weill.


Cantora noturna

        Tradução de José Antônio Cavalcanti

Aquela que morreu por causa do seu vestido azul está cantando.
Canta impregnada de morte ao sol da sua embriaguez.

Dentro de sua canção há um vestido azul, há
um cavalo branco, há um coração verde tatuado
com os ecos das batidas de seu coração
morto.

Exposta a todas as perdições, ela
canta junto à menina extraviada que é ela mesma:
seu amuleto de boa sorte. E apesar da
névoa verde nos lábios e do frio cinza nos
olhos, sua voz corrói a distância que se abre entre
a sede e a mão que busca o copo.


Ela canta.


********************************************************************************************************

César Vallejo




César Vallejo jogou as letras do idioma de Pizarro em vaso cerimonial, temperou-as com ervas e preces quíchuas. O que ficou no fundo, sacudiu com as mãos ossudas até obter o movimento rotatório construído com papel e barro - o círculo milenar que guarda lhama, condor, puma e poeta. Muito além dos Andes paira o mistério da passagem ritualística do micro ao macro, viagem clandestina do ponto de sagração e de sangramento à esfera instável do planeta e de todo o universo. Meu exercício de tradução é mais um gesto de devoção.


Huaco
    
Yo soy el coraquenque ciego
que mira por la lente de una llaga,
y que atado está al Globo,
como a un huaco estupendo que girara.

Yo soy el llama, a quien tan sólo alcanza
la necedad hostil a trasquilar
volutas de clarín,
volutas de clarín brillantes de asco
y bronceadas de un viejo yaraví.

Soy el pichón de cóndor desplumado
por latino arcabuz;
y a flor de humanidad floto en los Andes,
como un perenne Lázaro de luz.

Yo soy la gracia incaica que se roe
en áureos coricanchas bautizados
de fosfatos de error y de cicuta.
A veces en mis piedras se encabritan
los nervios rotos de un extinto puma.

Un fermento de Sol;
levadura de sombra y corazón!



Huaco

        Tradução de José Antônio Cavalcanti 

Eu sou o coraquenque cego
que olha pela lente de uma chaga,
atado ao Globo
como a um huaco estupendo que giragira.

Eu sou o lhama, a quem tão só alcança
a necedade hostil de tosquiar
ornatos de clarim,
ornatos de clarins brilhantes de asco
e bronzeados de velho yaraví.

Sou filho de condor desplumado
por latino arcabuz;
e à flor da humanidade flutuo sobre os Andes
como eterno Lázaro de luz.

Eu sou a graça incaica que se rói
em áureos coricanchas batizados
de fosfato de erro e cicuta.
Às vezes em minhas pedras se encabritam
os nervos exaustos de um extinto puma.

Um fermento de Sol;
levedura de sombra e coração!


Notas do tradutor

Huaco, cerâmica pré-colombiana. Corequenque, ave sagrada dos incas que usavam as suas plumas na confecção de coroas destinadas aos soberanos. Yaraví, canção que funde elementos de origem indígena e hispânica. Coricancha, grande Templo do Sol, em Cuzco; sobre as suas ruínas os espanhóis construíram a igreja de Santo Domingo.





********************************************************************************************************

Robert Creeley




Não tenho pretensões de vir a ser tradutor profissional, como, no entanto, as traduções servem para oxigenar palavras, significados e imaginação de qualquer poeta, tomei Robert Creeley como alvo.


After Lorca

            For M. Marti


The Church is a business, and the rich

are the business men.
When they pull on the bells, the
poor come pilling in and when a poor man dies, he has a wooden
cross,
and they rush through
the ceremony.

But when a rich man dies, they
drag out the Sacrament
and a golden Cross, and go doucement, doucement
to the cemetery.

And the poor love it
and think it's crazy.


Depois de Lorca


       para M. Marti


A Igreja é um negócio, e os ricos
são homens de negócios.
Quando os sinos batem, os
pobres se aglomeram na nave e quando morre um pobre, ganha uma cruz
de madeira,
e aceleram a cerimônia.

Mas quando um rico morre
suprimem o Sacramento
e a Cruz dourada, e caminham doucement, doucement
para o cemitério.

E os pobres adoram
e acham uma loucura.



********************************************************************************************************

Anne Sexton




The Firebombers
    
We are America.
We are the coffin fillers.
We are the grocers of death.
We pack them in crates like cauliflowers.

The bomb opens like a shoebox.
And the child?
The child is certainly not yawning.
And the woman?
The woman is bathing her heart.
It has been torn out of her
and as a last act
she is rinsing it off in the river.
This is the death market.

America,
where are your credentials?

 ***

Os bombardeiros

        Tradução de José Antônio Cavalcanti

Nós somos a América.
Somos enchedores de caixões.
Nós somos mascates da morte.
Arrumamos cadáveres como couves-flores em caixotes.

A bomba se abre qual caixa de sapatos.
E a criança?
A criança certamente não boceja.
E a mulher?
A mulher lava o seu coração.
Foi-lhe arrancado vivo
e agora, num último ato,
enxágua-o no rio.
Este é o mercado da morte.

América,
onde estão as tuas credenciais?




*********************************************************************************


Anamaria Mayol























Deletrear
             

Deletreo
el nombre que me nombra

siento crujir el cuerpo
desde la infancia

deletreo
la palabra
útero
mitad costado
desencuentro

deletreo
identidad
esperma
mano izquierda
abandono

rastro en el vuelo
de los pájaros

signos gestos
que han de parir
para nacer la muerte

deletreo
tristeza
sobre las líneas de las manos

dibujo asimétricas letras

llevan los ojos
que parieron mis ojos

cuando aprendí
a deletrear
ausencia



Soletrar
           

           Tradução  de José Antônio Cavalcanti

Soletrar
o nome que me nomina

sinto o corpo tremer
desde a infância

soletro
a palavra
útero
metade costado
desencontro

soletro
identidade
esperma
mão esquerda
abandono

vestígio do voo
dos pássaros

signos gestos
que hão de parir
para que a morte nasça

soletro
tristeza
nas linhas das mãos

desenho letras assimétricas

levam os olhos
que pariram os meus olhos

quando aprendi
a soletrar
ausência


********************************************************************************************************



Tristan Corbière































Paysage mauvais


Sables de vieux os—Le flot râle
Des glas: crevant bruit sur bruit....
—Palud pâle, où la lune avale
De gros vers, pour passer la nuit.

—Calme de peste, où la fièvre
Cuit.... Le follet damné languit.
—Herbe puante où le lièvre
Est un sorcier poltron qui fuit....

—La Lavandière blanche étale
Des trépassés le linge sale,
Au soleil des loups....—Les crapauds.

Petits chantres mélancoliques
Empoisonnent de leurs coliques,
Les champignons, leurs escabeaux.


* * * *  


Li as traduções de Augusto de Campos e Marcos Siscar. Resolvi aventurar a minha. Fugi ao octossílabo original, optando pelo eneassílabo.


Paisagem má

        Tradução de José Antônio Cavalcanti *


Areias de antigos ossos, a onda
Em cólera, dobra-se ao açoite...
No pântano pálido, redonda
Lua devora vermes, à noite...

Calma de peste, onde alta febre
Queima... Um gênio louco se estiola.
- Erva fétida, fugidia lebre
Invoca um xamã frouxo e se evola...

A alva Lavadeira não se inibe,
A roupa suja da morte exibe
ao sol dos lobos... - Sapos singelos,

Pequenas criaturas melancólicas,
Contaminam com suas próprias cólicas

Chão de caracóis e cogumelos.



Li as traduções de Augusto de Campos e Marcos Siscar. Resolvi aventurar a minha. Fugi ao octossílabo original, optando pelo eneassílabo.



********************************************************************************************************

Gesshu Soko (Japão, 1618-1696)
























O monge zen Gesshu Soko (Japão, 1618-1696) deixou-nos este incrível "Poema da morte": 

Inspira, expira,
adiante, atrás,
vivendo, morrendo:

As flechas lançadas
voam umas contra as outras,
no ar se encontram e dividem
o vazio em sua volta.
Assim volto à origem.


Tradução de José Antônio Cavalcanti  (a partir da tradução de Andrés Neuman para o espanhol)

*********************************************************************************


Antonio Gamoneda






















Incandescencia y ruinas

I

Yo invoco la cabeza
más sagrada que exista
debajo de la nieve.

Mi corazón azul
canta purificado por el silencio.

II

Vándalo de pureza,
hostígame. Si hablas,
yo bajaré mis labios
hasta el agua salvaje.

De aquella gruta donde
abrasa la frescura,
ha de surgir un rey
sucio de profecías.

Oh corazón que ves
en toda oscuridad,
cuándo estaremos ciegos
en luz, cuándo hablarás,
habitante del fuego.

III

Un perro milagroso
come en mi corazón.

Ceremonia salvaje:
mi dolor se incorpora
al perro enamorado.

IV

En la cavidad que sabes,
suena una voz. Lengua fría,
tú, que silbas en la noche,
metal vivo de palabras,
dime, loco ruiseñor
del invierno, dime, tú,
que quizá participas
de una materia luminosa,
a quién anuncias ya
además de a la muerte.

Na cavidade que sabes,
ecoa uma voz. Língua fria,
tu, que silvas na noite,
metal vivo de palavras,
dizei-me, louco rouxinol
do inverno, dizei-me, tu,
que talvez participes
de matéria luminosa,
a quem anuncias agora
a não ser a morte.

V

Anticanto de amor,
quién te beberá, quién
pondrá la boca en esta
espuma prohibida.
Quién, qué dios, qué
enloquecidas alas
podrán venir, amar
aquí.

Donde no hay nada.


In Sublevación inmóvil (1960)






Incandescência e ruínas
´
        Tradução de José Antônio Cavalcanti

I

Invoco a cabeça
mais sagrada que exista
sob a neve.

Meu coração azul
canta purificado pelo silêncio.

II

Vândalo de pureza,
fustiga-me. Se falas,
baixarei meus lábios
até a água selvagem.

Da gruta onde
queima o frescor,
há de surgir um rei
sujo de profecias.

Oh coração que vês
em toda a escuridão,
quando estaremos cegos
na luz, quando falarás,
habitante do fogo.

III

Um cão milagroso
come em meu coração.

Cerimônia selvagem:
minha dor se incorpora
ao cão apaixonado.

IV

Na cavidade que conheces,
ecoa uma voz. Língua fria,
tu, que silvas na noite,
metal vivo de palavras,
dizei-me, louco rouxinol
do inverno, dizei-me, tu,
que talvez participes
de matéria luminosa,
a quem anuncias agora
a não ser a morte.

V

Anticanto de amor,
quem te beberá, quem
colocará a boca nesta
espuma proibida.
Quem, que deus, que
asas alucinadas
poderão vir, amar
aqui.

Onde não há nada.


Comentários

Postagens mais visitadas