Um brasileiro comum





















Um brasileiro comum

Aos três anos,
cabeça na cacimba,
escapei de mão assassina.
Aos onze,
preso pelo exército.
Aos doze,
conheci meu irmão.
Depois a adolescência
e tanto tratamento intensivo.
Milagre ainda estar vivo.

Comentários

Postagens mais visitadas