Silvia Plath





Poema de Silvia Plath traduzido por Rodrigo Garcia Lopes e Maurício Arruda Mendonça.


Os mensageiros

Palavra de lesma numa lâmina de grama?
Não é minha. Não aceite.

Ácido acético numa lata selada?
Não aceite. Não é genuíno.

Anel de ouro com reflexo de sol?
Loas. Loas e mágoa.

Geada na folha, o caldeirão
Imaculado, estalando e falando

Sozinho no alto de cada um
Dos nove Alpes negros.

Distúrbio nos espelhos,
O mar estilhaçando seu cinza ˗˗

Amor, amor, minha estação.


In PLATH, Sylvia. Poemas. 2a. ed. São Paulo: Iluminuras, 2007, p. 67.



Comentários

Postagens mais visitadas