Uma ciclista zerou o meu caminho








Poema do livro Movimento suspeito (Editora Urutau, 2016).

O que vi
quando a bicicleta
levantou pernas
em relâmpago
(senti a curva
do vento
estufar a camisa)
forçou-me a fingir
a continuidade
do mundo.

Ainda voltei o rosto
mas o corpo
tornara-se verde
distante
sob um boné branco.

Fração de mínima mirada
pode virar
a página
na qual se apaga
a vida
ao dobrar a esquina.

A ciclista
fugiu
com a minha vida
na cestinha capim-limão.


Comentários

Postagens mais visitadas