segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Nau urbana

Cidade, Cícero Dias
























 
Nau urbana

Sombras sonoras piscam
na cidade,
esse charco aceso de segredos
onde anjos boêmios dissolvem
- com palavras e copos plásticos -
os muros do paraíso.

Noturnas,
as vias respiratórias da urbe
- duto de perversões e desvios -,
em sístole e diástole,
marcam o ritmo veloz
das aves que migram do inferno.

Bairros,
manchas de lixo e entulho
impermeáveis à luz
exibem lúgubres
a miséria de domicílios inviáveis.

Arquitetura e tautologia,
as fibras dessas construções
recusam passagem ao júbilo.

Ausência de música e catedrais;
Apenas a pauta das máquinas
Na mímica das mercadorias.
Encena insana dramaturgia.

O Armagedon não armou a paisagem.
A cidade é mesmo jogo sem regras,
sem sentido, sem finalidade.


Cica dos oitis

Cica dos oitis      Um contrassamba para Hélio Oiticica O sol cica dos oitis seca redundância um gole de parangolé pin...