Emily Dickinson



Toda vez que me lembro de Emily Dickinson parece que a estou vendo se mover arrastando vestido de camadas de reclusão por todos os cômodos de casa abastada em Massachusetts, livro de algum poeta metafísico na mão esquerda, a direita no ar, como se soltasse algum pássaro da prisão, mas a imagem do reverendo Charles Wadsworth faz com que abandone a leitura e fuja dos meus pensamentos. 

I died for Beauty – but was scarce
Adjusted in the Tomb
When One who died for Truth, was lain
In an adjoining Room –

He questioned softly “Why I failed”?
“For Beauty”, I replied –
“And I – for Truth – Themself are One –
We Brethren, are”, He said –

And so, as Kinsmen, met a Night –
We talked between the Rooms –
Until the Moss had reached our lips –
And covered up – our names –


Tradução de Manuel Bandeira



Morri pela beleza, mas estava apenas
No sepulcro acomodada
Quando alguém que pela verdade morrera
Foi posto na tumba ao lado.

Perguntou-me, baixinho, o que me matara:
“A  Beleza”, respondi.
“A mim, A Verdade – são ambas a mesma coisa,
Somos irmãos.”

E assim, como parentes que certa noite se encontram,
Conversamos de jazigo a jazigo,
Até que o musgo alcançou nossos lábios
E cobriu os nossos nomes.

In Pensamento da América, nº 12, suplemento de A Manhã, RJ, 20 de dezembro de 1942.

Comentários

Postagens mais visitadas