sábado, 14 de janeiro de 2017

Cidade, zona de exclusão















 
Cidade, zona de exclusão

Manhã de armas e oficial de justiça
diante da multidão no terreno
abandonado
há tempos
à espera
de novo empreendimento.

Quadrados de giz
acenderam no chão
a luz de um lugar
aos sem lugar
só pra cuspir no vácuo
vidas indesejáveis
na contramão de rumo e abrigo.

Colchões carregados nas costas,
filhos nos braços,
mãos de calos e gordura,
leis criminalizando saídas. .

Breve a prefeitura atiçará
todos os bulldozers da cidade ocupada
contra o coração de madeirite.

Nos baldes rachados,
onde a roupa suja
se limpa de tantas promessas,
pequeno cartaz de cartolina afunda:
“Lar não é crime”.

No local,
em breve,
não perca,
oferta imobiliária de 1° mundo.

 

Cica dos oitis

Cica dos oitis      Um contrassamba para Hélio Oiticica O sol cica dos oitis seca redundância um gole de parangolé pin...