Sinais de fumaça

 



Esta narrativa foi publicada no livro Fora de forma & outros foras (Ibis Libris, 2014). Aqui ela está em sua versão completa.


Sinais de fumaça


Essa história me foi contada por um velho lápis à beira da morte.



“Há muito tempo, durante uma revolução na escrita, um nobre e presunçoso til apaixonou-se por uma vírgula desconhecida. Obcecado pelas pernas curvas da bailarina da linguagem, o til atrevido rompeu com os melhores amigos da alta sociedade: os acentos grave, agudo e circunflexo, além das aspas, irmãs siamesas. Seu amor por aquela criatura da classe baixa,  que vivia misturada a tipos inferiores como pontos, travessões, hifens e reticências, transformou-o num pária a exemplo do velho companheiro trema, banido por decreto a exílio eterno.



Apesar de viverem em espaços diferentes, a paixão apagou as distâncias; peles arrepiaram-se, bocas selaram promessas, sonoridades do gozo vazaram rios noturnos. Mas o coração sempre oculta um saco de veneno em um dos ventrículos. A vírgula passou a cobrar do til mais presença em sua vida, queria sentir o fino perfume de suas palavras, a cabeleira em ondas do jovem aristocrata pulsando sobre os seus seios ofegantes. O til, com voz fanhosa e enfadonha,  sempre alegava excesso de trabalho ou problemas na mucosa nasal que quase impediam a respiração.



Alguns meses transcorreram pesados, perdidos, a proximidade fazia água, o til raramente aparecia. Até que, numa esplêndida madrugada de outono, apareceu todo animado na linha onde a vírgula morava. Ao chegar contemplou de queixo caído a cena que o deixou irremediavelmente amargurado: um ponto movia-se como minúsculo demônio por cima da vírgula adorada.
Desconsolado, vagou por páginas e páginas até entrar na Taberna Vernácula. Lá encontrou os irmãos parênteses, membros da classe intermediária. Após ouvirem com desinteresse o relato do til traído, o mais novo, responsável por encerramento de enunciados, disse-lhe com certa ironia na voz: 'Nobre til, os boatos que correm pela cidade colocam-no numa posição insustentável, afinal é você que vive dando em cima da vogal a."

 

Comentários

Postagens mais visitadas