Manhã baça




















de torcer
o pescoço
o passo
a língua
o que se vê
no horizonte
além
aquém
o pescoço
o dorso
o corpo
desocupado
de palavras
tomado
por colônias
de fungos
refém
já não se sabe
de quem

Comentários

Postagens mais visitadas