Línguas extintas

 
 
 
Línguas extintas

Houve uma tribo nos confins do Araguaia para a qual a escuta era algo sagrado. Como os indivíduos não gostavam de falar, recorriam a um estranho nomadismo a fim de ouvir o mundo. Deslocavam-se incessantemente pelos rios, avançavam em territórios hostis e canibalizavam idiomas, não sem antes ouvir, em cerimônia que durava semanas, o que diziam os inimigos antes da morte. Era inacreditável a atenção às palavras alheias; as frases mais simples brilhavam como estrelas nos olhos acesos de curiosidade, fisionomias inomináveis passavam como ondas pelos rostos de todos os membros da tribo que, a cada temporada de caça, cresciam cinco centímetros.

Com o tempo todas as palavras foram assimiladas. Já não havia aldeias capazes de propiciar o suprimento de línguas desconhecidas. A tribo começou a definhar, diminuíam cinco centímetros a cada temporada de chuvas. Muitos se aventuraram na busca desesperada pelo ouro da linguagem, nenhum deles voltou. Privados da abundante matéria-prima fornecida pelos povos da floresta, se viram na obrigação de soltar a voz. Pena, pouco depois de o primeiro índio proferir as primeiras palavras da tribo – “homem branco” –, os portugueses comemoravam a extinção da primeira tribo do Novo Mundo.


Comentários

Postagens mais visitadas