O banhista noturno

Adriana Varejão



















Poema publicado no livro Movimento suspeito (Urutau, 2016).



O banhista noturno

Do chuveiro
caem canções anacrônicas
em pingos verde-século passado.

Entre o blindex
e o registro,
a alma fora do tom
se liberta
de blindagem e despojos,
despejados
em árias-assovios
renascentes.

A propriedade da água
lava a cena imprópria
do canto entrando pelo cano,
limpa o gesto contra o esgoto,
esgotamento.

Erosão e desgaste
a vida líquida.

A toalha -
talhe ou rasura
que voa
como sepultura
diante do espelho:
carimbo de realidade.

Estivesse você aqui agora,
canções nos rasgariam em gotas
da pélvis até a boca.



Comentários

Postagens mais visitadas