segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Eclipse
























Corpos e palavras
em câmara escura.

Nudez oculta
acaricia o outro lado da lua
de pernas de porcelana,
toda trincada
de queixas e quedas,
trancada
em quarto minguante.

lingerie no assoalho
lança no teto alaranjado
sombras de amor sublunar.

Sobre a cama
finas camadas de mágoa
escavam a camisola
com beijos incandescentes
na zona central da noite
inacabada.

Tua presença,
teu corpo em falso repouso,
abismo,
campo magnético
ignoto,
devasta as linhas do meu rosto
e escreve em fogo
novo caminho para as estrelas.

Cica dos oitis

Cica dos oitis      Um contrassamba para Hélio Oiticica O sol cica dos oitis seca redundância um gole de parangolé pin...