O exterminador de ilhas

The Sea of Jubilation, from Collages from La Femme 100 Tête, by Max Ernst























Ele vem antes do dilúvio,
cigarro e uísque em equilíbrio.
Diz “imperiosa reconfiguração”,
e mais “uma nova perspectiva”,
para acrescentar, exausto,
“um projeto para o século XXI”.

Carrega cidades nas costas,
mede distâncias e cargas,
olha à direita e à esquerda.
O olhar insone insiste:
“Precisamos fazer uma limpeza,
isso aqui está uma bagunça”.

Bela a camisa estampada ao vento
que insufla latitudes e meridianos
aos cabelos tingidos de espanto.
Belos seus pensamentos a barlavento:
supressão de pousos,
poda de portos e primaveras,
previsibilidade dos percursos.
Bela a luminosidade das palavras,
apesar de algumas lâmpadas queimadas:
priorizar, reciclar, operacionalizar, otimizar...

Gosto do seu olhar oceânico
a descerrar manhã e horizonte;
pura potência, puro encantamento,
a conversão de almas em moedas.

Na madrugada da última ilha antes de Ítaca,
esguio como um gato no tombadilho,
grito e esgrimo contra a esquiva figura
grisalha, antes de arremessá-la ao mar escuro.




Comentários

Postagens mais visitadas