A gaiola de Einstein




















O impasse do pássaro
implume
não é o limite do voo
mas não poder pousar
fora do espaço.

Asas imantadas
em alta frequência
no curvo céu de plutônio
esbarram
nas grades da gravidade;
corrosão do salto.
Entre pausa e pulsação
oscilam o universo
e o tempo,
esse demônio.

Voar um pássaro
além da paralaxe,
fora de geometria
e sintaxe.


Postagens mais visitadas