sábado, 30 de abril de 2016

A fábrica




















A fábrica de horrores
do lado direito da rua
nunca fecha as portas
atrás das quais
- em completo sigilo -
multiplica-se,
como helmintos em intestino infecto,
a fila de maldades.

As novas tecnologias
vestem velhas práticas de extermínio.

Precisa-se de juristas de aluguel
para novos rituais de sacrifício.

Precisa-se de jornalistas de R$ 1,99
para a zumbificação das vítimas.

Precisa-se políticos de plástico
para falsa democracia volátil.

Precisa da violência policial
contra o vento que sopra em direção oposta.

Os donos da fábrica de horrores
sempre nas páginas do "homem do ano".

Sempre há vagas
na fábrica de horrores. 


Cica dos oitis

Cica dos oitis      Um contrassamba para Hélio Oiticica O sol cica dos oitis seca redundância um gole de parangolé pin...